Melanose Coli

Na Melanose Coli a mucosa do cólon torna-se enegrecida e dividida em desenhos poliédricos por estrias claras e salpicadas por pequenos pontos brancacentos.
A principal causa é uso crônico de laxantes e chás derivados da antraquinona, como: cascara sagrada, sene, babosa, ruibarbo e frangula. Efeito laxativo por provocar maior secreção de água e eletrólitos no íleo distal e cólon e estimular as terminações nervosas, via plexo de Auerbach, gerando um aumento na motricidade do cólon. Exemplos: Tamaril®, Tamarine®, Laxtan®, Almeida Prado 46®, Naturetti®, Laxarine®, Agiolax®, Frutarine®, etc.
Ação em 6 a 10 horas quando por via oral.
Aproximadamente 75% dos pacientes com Melanose Coli relataram o uso destas substâncias.
Surge de 4 a 12 meses após o início do abuso dos derivados da antraquinona de forma continuada ou descontinuada e podem desaparecer no mesmo período após a suspensão das drogas.
A prevalência da Melanose Coli está entre 1% e 8% (predominantemente em mulheres idosas).

Patologia
Caracteristicamente o achado principal é o aumento do número se macrófagos na lâmina própria e muscular da mucosa, muitos dos quais com um pigmento marrom ou preto. A microscopia eletrônica identificou estes pigmentos como lipofuscinas decorrentes da fagocitose dos restos celulares secundário aos efeitos tóxicos dos antraquinonas. A distribuição destes pigmentos é caracteristicamente difusa no cólon e reto, mas predomina no cólon proximal e ceco, e normalmente não ultrapassam a válvula ileocecal, uma vez que não existe receptor para antraquinonas no intestino delgado.

Quadro Clínico e Diagnóstico
Melanose Coli é uma condição benigna, reversível e de nenhuma conseqüência patogênica comprovada. Não obstante, o abuso crônico de laxativos pode conduzir à formação do cólon catártico por danificar o sistema nervoso autônomo do cólon atrofiando a musculatura lisa e do plexo miontérico: caracterizado por um cólon direito dilatado, sem haustrações e com a válvula ileocecal entreaberta. Surge em cerca de 45% dos pacientes que usam os estimulantes mais de três vezes por semana durante um ano ou mais. Pode regredir com a suspensão do laxante.

Diagnóstico
Na maioria dos casos, o diagnóstico da Melanose coli é casual durante a colonoscopia.

Tratamento
Nenhum tratamento específico é necessário, porque a condição é totalmente reversível após a ingestão dos laxantes ser interrompida. A descoberta da melanose coli deve induzir o questionamento sobre o abuso laxante e a função do cólon. Embora não sejam observadas consequências deletérias da melanose coli per se, os pacientes devem interromper o uso do agente agressor.

contador de visitantes