Revisões Sistemáticas da Literatura

Um caminho coerente para tentar esclarecer controvérsias é apoiar-se nos estudos de melhor qualidade sobre o assunto. A revisão sistemática da literatura trata-se de um tipo de investigação focada em questão bem definida, que visa identificar, selecionar, avaliar e sintetizar as evidências relevantes disponíveis.

As revisões sistemáticas são abrangentes e não tendenciosas. Revisões sistemáticas de boa qualidade são consideradas o melhor nível de evidência para tomadas de decisão.

As revisões sistemáticas são consideradas estudos secundários, que têm nos estudos primários sua fonte de dados. Entende-se por estudos primários os artigos científicos que relatam os resultados de pesquisa em primeira mão.

Screening of Colorectal Cancer: Present and Future.

Maida M, Macaluso FS, Ianiro G, Mangiola F, Sinagra E, Hold G, Maida C, Cammarota G, Gasbarrini A, Scarpulla G.
Expert Rev Anticancer Ther. 2017 Dec;17(12):1131-1146. doi: 10.1080/14737140.2017.1392243. Epub 2017 Oct 26. Review.
Rastreamento do Câncer Colorretal: Presente e Futuro.
Resumo
O câncer colorretal (CCR) é o terceiro câncer mais comum em homens e o segundo em mulheres, e a quarta causa mais comum de morte por câncer em todo o mundo. Atualmente, cerca de 60-70% dos casos diagnosticados em pacientes sintomáticos são detectados em um estágio avançado da doença. A detecção precoce do estágio por meio do uso de estratégias de rastreamento permitiria melhores resultados em termos de redução do ônus da doença.
O objetivo deste artigo é revisar as evidências atuais publicadas na literatura que avalia o desempenho e a eficácia de diferentes testes de rastreamento para a detecção precoce de câncer colorretal.
Estratégias de rastreamento adequadas podem reduzir a incidência e mortalidade do câncer colorretal. Nas últimas décadas, vários testes foram propostos para o rastreamento do câncer colorretal. Até o momento, as evidências ainda são insuficientes para identificar qual abordagem é definitivamente superior, e nenhuma estratégia de rastreamento para o câncer colorretal pode, portanto, ser definida como universalmente ideal. A melhor estratégia seria aquela que pode ser economicamente viável e à qual o paciente pode aderir melhor ao longo do tempo. As diretrizes mais recentes sugerem a colonoscopia a cada 10 anos ou o teste imuno-químico fecal anual (FIT) para pessoas com risco normal, enquanto que para indivíduos com alto risco ou síndromes hereditárias são fornecidas recomendações específicas.